Os espaços sociais e a segregação na metrópole paulistana dos 2000

Esse capítulo analisa em detalhes os padrões de segregação residencial na metrópole na década de 2000. São utilizadas as classes EGP por áreas de ponderação, assim como a segregação dos grupos de renda e escolaridade. Em seguida, as transformações na década são investigadas utilizando análises fatorial e de cluster. Os padrões de segregação e suas transformações são discutidos em diálogo com as contribuições recentes sobre o tema, tanto internacionais quanto nacionais. A análise da segregação utilizará estatística espacial (Lisa e Moran), assim como mapas temáticos. É de se destacar que esse é o primeiro momento em que dispomos de dados para analisar dinamicamente a segregação por classe em nível intra-municipal, visto que as áreas de ponderação se tornaram geocodificáveis apenas a partir do Censo de 2000.

Autor: Eduardo Marques

Anúncios