Mobilidade urbana: rodoviária, individual e desigual

O capítulo investiga uma das dimensões-chave da sociabilidade na metrópole – a mobilidade urbana -, com base em dados das pesquisas Origem/Destino (OD) do Metrô e do Censo IBGE. Os dados são desagregados nas áreas geográficas denominadas Zonas OD, o que nos permite observar que relações há entre uso de certos meios de transporte e características de populações tanto na metrópole quanto em seus variados espaços. Há evidências de uma estrutura consolidade de mobilidade, em que o transporte ocorre predominantemente em vias e residualmente sobre trilhos. Os ônibus são o principal meio de transporte coletivo, sendo meio principal em um quarto das viagens diárias na metrópole, média semelhante à dos deslocamentos cujo meio principal é o automóvel; por sua vez, a caminhada é o meio principal em um terço das viagens diárias ocorridas na RMSP. Há correlação significativa e positiva entre o modo de transporte individual e a renda média familiar, assim como correlação negativa entre renda e caminhada. A relação entre meios de transporte e tempo consumido para viajar reforça a evidência da dimensão de desigualdade presente na mobilidade em São Paulo: usuários de transporte coletivo levam o dobro, em média, que os usuários do transporte individual para se deslocarem.

Autora: Carolina Requena

Anúncios