Revisitando dinâmicas sociais das favelas

A caracterização da população moradora de favelas da Região Metropolitana de São Paulo, na década de 1990, apontava para a existência de uma situação de estabilidade social ou de lenta melhora relativa, em termos médios; assim como para um maior grau de heterogeneidade do que se costumava considerar. Nesse capítulo pretende-se revisitar esse estudo.

Pretende-se, a partir dos dados do Censo demográfico 2010 e com base na mesma metodologia aplicada ao estudo citado, analisar a dinâmica da população moradora de favelas na última década (2000-2010). Primeiramente, deverão ser apresentados os dados socioeconômicos relativos a essa dinâmica. Pretende-se analisar os conteúdos sociais das favelas em relação às dinâmicas de crescimento demográfico.

Em seguida apresentamos uma confrontação das características das favelas com aquelas de seu entorno imediato e distrito (para o caso de São Paulo) e entorno definido pelos pesquisadores (para o caso da Região Metropolitana de São Paulo). Pretende-se dar uma ênfase especial à comparação entre as características da população de favelas e loteamentos irregulares, principalmente acesso a serviços e infraestrutura, localizados numa mesma porção territorial da cidade, com o intuito de destacar semelhanças e diferenças que possam implicar em diferentes ações de urbanização, regularização e integração de assentamentos precários. Ao final, pretende-se avaliar a relevância de inserir no artigo uma tipologia de favelas da Região Metropolitana de São Paulo seguindo o modelo daquela realizada para a década de 1990.

Autora: Camila Saraiva

Anúncios